Notícias — 04 maio 2012

Numa iniciativa inédita, a Polícia Civil, o Exército e o Tribunal de Justiça do Rio montaram uma força-tarefa para agilizar a destruição de 120 mil armas que estão acauteladas no depósito da Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos (Dfae). O arsenal — formado por fuzis, metralhadoras, pistolas, revólveres e até bazucas apreendidos com bandidos nos últimos 20 anos — será derretido numa siderúrgica.

O processo de inutilização do armamento será iniciado na próxima semana. Contudo, o trabalho para esvaziar o depósito começou no Tribunal de Justiça, com a análise dos processos referentes ao acautelamento das armas, muitas delas peças de prova em ações que tramitavam na Justiça.

De acordo com a delegada Leila Goulart, da Dfae, há armas guardadas há 20 anos no local. Um risco à segurança , segundo ela. Leila Goulart disse que a previsão é que a destruição do arsenal seja concluída em até seis meses, com a inutilização diária de 1.200 armas. A lei permite a reutilização de parte do arsenal pelas polícias Civil e Militar. Entretanto, caberá ao Exército analisar a viabilidade de aproveitamento de algumas das armas.

Fonte: O Globo

Related Articles

Share

Sobre o Autor

gustavo